sábado, 25 de maio de 2013

A MULHER QUE MENTIA O TEMPO TODO






Existiu em uma região ao Norte do Brasil uma pequena Igreja Evangélica que promovia Campanhas e Campanhas Evangelísticas por aquela região de forma incessante. E, certo dia em uma dessas Campanhas após a pregação do pastor seguiu-se o apelo: quem deseja agora entregar sua vida a Jesus?
A resposta no meio da multidão veio meio embargada através de uma voz feminina:
-Eu, eu aqui, pastor. Chega de tanto sofrimento…
Ao ouvir aquelas palavras o pastor e sua equipe foram ao encontro daquela nova irmã em Cristo. Então, anotaram nome, endereço, estado civil, telefone, etc.
A recém-convertida foi convidada para participar de uma classe de novos convertidos, e logo na primeira aula ela disse:
-Irmãos, preciso de oração, pois estou meio doente, e desempregada.                   
Ao ouvirem aquela mulher falar de forma simples, e com uma aparente sinceridade o professor em conjunto com um irmão que estava ali presente disse:
- Vamos lhe ajudar irmã.
A mulher esboçou um rápido sorriso meio triste e limitou-se a dizer:
-Que Deus lhe pague irmãos.
Como resposta os irmãos disseram:
-Isso é nossa obrigação, irmã.
A nova irmã na fé ganhou uma Bíblia, presente de outra irmãzinha, consegui um trabalho em um comércio do tio de um diácono da Igreja, foi levada ao posto médico da cidade, e após realizar uma série de exames passou a tomar alguns medicamentos específicos para suas patologias.
A aparência que até então era de alguém meio tétrica transformou-se em linda mulher completamente mudada.
Dia após dia a irmã caminha para o Templo de Deus com mais fervor: cantava no coral, orava, e já começava até a falar em línguas estranhas.
Os rapazes solteiros da Igreja começavam até a cogitar na possibilidade de cortejá-la. Pois, ali estava a tradução de uma pessoa mudada e integrada na Obra do Senhor.
 Após seis meses a irmã começou a faltar nos cultos, no serviço, e todas as vezes que era procurada nunca era encontrada, e quando a localizavam em casa ela sempre tinha boas desculpas para suas constantes ausências:
-Mulher, ontem eu já estava chegando pertinho da Igreja quando começou. Tu sabe coisa de mulher, por isso eu voltei logo. Mas, hoje à noite não vou faltar avisa lá pro irmão Tenório.
O pastor diante de tudo aquilo resolveu fazer uma visita fazer juntamente com um grupo de irmãs para entender melhor a situação e quando chegaram à sua  casa todos disseram:
-Graça e paz, irmã Etelvina.
-Graça e paz, irmãozinhos. Entre, mas não reparem a bagunça, pois acabei de chegar do comércio.
A mulher do pastor que comandava a equipe respondeu-lhe:
-É assim mesmo irmã. Dona de casa trabalha o tempo todo.
-Olhe, irmã, nós estamos visitando a senhora porque a gente tem sentido sua falta nos trabalhos da Igreja. Por isso, resolvemos passar aqui para conversarmos, orarmos e ouvir a irmã. Certo?
-Certo. Mas, não está acontecendo nada não irmãos. Está tudo bem comigo. Eu  estou rezando todos os dias.
-Rezando, irmã?
-Desculpe. Orando. Né?
Os irmãos oraram com a irmã Juventina, e foram embora com a promessa da mesma retornar naquela mesma noite a casa do Senhor. Entretanto, nada aconteceu.
Quatro dias depois Juventina adoeceu com uma febre e convulsão. Foi internada e quando se recobrou daquela enfermidade falou:
-Hoje eu sei que o homem só se lembra de Deus quando está na pior. Mas, enquanto está bem inventa desculpas as mais diferentes possíveis para se fazer de coitadinho diante das pessoas.

MORAL DA HISTÓRIA

Quantas Juventinas existem em nosso meio? Será que você não é mais uma dessas pessoas? Mentir para o homem é fácil, mas mentir para Deus as consequências são bem mais pesadas. Reveja seus conceitos de vida cristã agora. Não deixe para refletir quando a mão do Senhor estiver pesando sobre ti.

Autor: Carlos Richards